quarta-feira, 13 de abril de 2016

Saudades

À Tininha

Partiste e tudo ficou!
Saudades e sonhos
correm pela vida em atropêlo!
E dos beijos que te dou
Nada mais resta que o gosto
Amargo do meu anelo!
Beijo,
Saudades infindas,
E onde andais?
E tu, boca que eu desejo,
Porque não voltas ainda,
Porque não me beijas mais?
Lábios vermelhos,
Ardentes,
Rubros de desejo,
Se quereis seguir um conselho
vinde, antes que caia doente
Pela fome do vosso beijo!
Não demores,
vem depressa, amor!
Embora eu saiba que choras
Sempre que um beijo te dou
Eu quero beijar-te agora,
Abraçar-te a toda a hora,
Por nos beijos tal fervor
Que não possa o coração
Ouvir a voz da razão
E da minha alma que chora!

António