sábado, 3 de janeiro de 2009

A hora do chá

Ela vem sempre à mesma hora, agora um pouco mais tarde, por causa da burocracia do emprego; mas não falha, bate à porta (tem chave mas não usa), sempre com boa disposição.
- Estás boa, filha?
- Estou boa - diz, com uma acentuação meiga e divertida.
E tomamos o chá, conversando e rindo, a maior parte das vezes. Chá acabado de fazer no Inverno, frio e em copo no Verão. Umas bolachas e às vezes bolo de azeite sem açúcar, por via das dietas...
E conversamos, eu ansiosa por lhe contar tudo, o que li no jornal e o que vi na T.V. Afinal, aquilo que só falo com ela, porque não tenho mais ninguém com quem trocar opiniões e, em alguns casos, desabafar.
Faz-me muita falta este encontro do fim de tarde com a minha filha mais velha. Espero-o ansiosamente.
- Até amanhã, filha.
- Até amanhã, Mãe.
Fecho a porta, até ao outro dia.

3 comentários:

Catarina disse...

e por vezes, aos sábados, também nos fazemos convidados para a janta!

Isabel I disse...

Gosto muito de pôr a escrita em dia e beber chá com a minha mãe ao fim da tarde. Só não gosto de futebol e Cristiano Ronaldo. Mas vou acenando com a cabeça e tentando mudar de assunto. Bjinhos Isabel I

joana disse...

tão lindas!
ainda ontem a filha mais nova me dizia : "faz-me tanta falta a minha mãe!" e a filha do meio dizia-me : "Vais estar com ela?! Diz-lhe que não apanhe frio,nem chuva e que se alimente!" ...
A mãe ri-se, faz-se de forte, mas com os olhos em lágrimas faz poemas sobre o amor pela família e as saudades do eu amor eterno e le-nos na noite fria de Natal.
é bom...
é bonito...
é por isto que gosto tanto desta (que também é a minha) família!